Loading...

Notícias

Parceria com CSEM Brasil viabiliza inovação na geração de energia

Como transformar todo tipo de construção urbana em uma planta de geração de energia elétrica fotovoltaica?

Imagine o seguinte cenário, em que diversos tipos de mobiliário urbano, como coberturas públicas, fachadas de edifícios, pontos de ônibus e quiosques, possam ser convertidos em plantas de geração fotovoltaicas de energia – garantindo o fornecimento de energia limpa e, ao mesmo tempo, aproveitando superfícies inutilizadas ou subutilizadas para maximizar a eficiência energética local. É isso o que a AES Tietê está buscando viabilizar, por meio de um investimento de R$ 2,4 milhões no aperfeiçoamento da tecnologia das células fotovoltaicas orgânicas (OPV, em inglês, Organic Photovoltaic). O OPV é uma película leve, flexível e sustentável, dotada de capacidade de geração fotovoltaica.

No piloto deste projeto, realizado pela área de pesquisa e desenvolvimento da AES Tietê, junto ao CSEM Brasil, uma instituição de inovação e pesquisa de tecnologia de ponta, serão instaladas células de OPV sobre um estacionamento coberto que comporta até 4 carros. Além disso, o sistema contará com um sistema de armazenamento e monitoramento da energia elétrica gerada.

Assim, esses estacionamentos ganham uma nova função: a de geração de energia elétrica. Estimulando e difundindo a geração distribuída em ambientes urbanos, para diversos fins, como, por exemplo, o abastecimento de veículos elétricos.

Pode parecer cenário de ficção científica, mas não é. A tecnologia OPV já é uma realidade e muitos especialistas apostam que ela vá revolucionar a geração fotovoltaica, substituindo os tradicionais painéis rígidos de silício. Há uma série de vantagens, como a flexibilidade, que permite sua instalação em um tipo mais variado de superfícies, seu peso, que dispensa a necessidade de estruturas robustas, além de uma amplitude maior do ângulo de captação, que o torna menos dependente de uma incidência de luz direta. Tudo isso atrelado a uma matéria prima sustentável.

O estudo foi iniciado em dezembro de 2017 e está agora na fase de desenvolvimento do projeto piloto. O início da construção desta primeira planta está programado para o segundo semestre de 2018.

A AES Tietê segue firme no seu objetivo de cada vez mais investir em inovação, transformando tecnologia de ponta em novos produtos de energia. Com esta iniciativa em torno do OPV, ela abre caminho em um campo inexplorado, com potencial revolucionário, possibilitando que outros empreendedores se engajem neste propósito e que toda uma cadeia de inovação se abra, para adicionar ainda mais valor ao mercado de energia.