Loading...
Notícias

Notícias

AES Tietê viabiliza contrato para construção da terceira usina solar em 2017

AES Tietê viabiliza contrato para construção da terceira usina solar em 2017

Mais uma grande conquista para a AES Tietê! Vencemos, ontem (18) o leilão regulado de energia solar, o A-4, que permitirá a viabilização do projeto solar Água Vermelha, em Ouroeste, São Paulo. A planta tem 90MWp de capacidade instalada, e foi negociada pelo valor de R$ 145,96 o megawatt hora.

Esse é mais um passo para liderarmos a revolução pela qual o setor de energia vem passando. Ao diversificarmos nossa matriz energética, conseguimos viabilizar as melhores soluções e parcerias em energia elétrica de forma segura, sustentável, com alta confiabilidade e baixo custo.

A previsão é que as obras da usina solar de Água Vermelha sejam iniciadas em junho de 2018. A construção será realizada concomitantemente à da planta do complexo solar Boa Hora, adquirido em novembro deste ano, e que tem capacidade instalada de 91 MWp. Juntas, as duas usinas solares somam 180 MWp ao nosso parque gerador.

Buscaremos  oportunidades que otimizem os custos. Uma grande vantagem é a de que os projetos serão construídos nas proximidades da usina hidrelétrica de Água Vermelha, para ampliar a sinergia entre os empreendimentos.

O complexo solar Boa Hora entrará em operação até novembro de 2018. Já para a usina solar Água Vermelha, a previsão é a de que esteja gerando energia a partir de maio de 2019.

As duas plantas solares, assim como o parque eólico Alto Sertão II, serão operados remotamente com equipamentos de tecnologia de ponta, por meio do nosso Centro de Operações da Geração de Energia – COGE, localizado em Bauru.

“Vencer esse leilão foi extremamente importante, pois permite que caminhemos em direção ao nosso compromisso de ter, até 2020, 50% do nosso EBITDA formado por fontes não hidráulicas”; diz Ítalo Freitas, presidente da AES Tietê.

“Com mais essa conquista, fechamos o ano de 2017 com três plantas solares – Guaimbê, Boa Hora e Água Vermelha -, e o parque eólico de Alto Sertão II. Para 2018, manteremos nosso foco no crescimento em fontes não hidráulicas, que também colabora com a mitigação do risco hidrológico”, reforça o executivo.

A energia solar fotovoltaica apresenta-se como uma das soluções para atendermos às demandas dos nossos clientes, e do mercado em geral, por energia renovável, ao mesmo tempo em que contribui para inovação tecnológica, geração de novos empregos e redução de impactos ambientais.